ANA PAULA AZEVEDO DE AVIZ - CRT 46305
Terapeuta Holística

EMDR

Postado por ANA PAULA AZEVEDO DE AVIZ (46305) em 19/03/2013 às 22:57
Novidades >>

É um método de dessensibilização e reprocessamento de experiências emocionalmente traumáticas por meio de estimulação bilateral dos hemisférios cerebrais. Trata-se de uma nova abordagem para o tratamento de traumas emocionais desenvolvida pela doutora Francine Shapiro, no final dos anos 80, na Califórnia. Desde então, o EMDR tem sido um dos métodos psicoterapêuticos mais amplamente pesquisados nos EUA na atualidade, com recomendação especial da American Psychiatric Association
São alvos de escolha primordial do método, pessoas portadores de transtornos ansiosos, em especial o estresse pós-traumático (TEPT). Sendo, também, eficaz para abordagem de fobias, pensamentos recorrentes ou quaisquer situações de conflito emocional.
Denominado, de forma genérica, como psicoterapia de reprocessamento, o EMDR foi, de início, idealizado como psicoterapia breve e focal.
O EMDR é a possibilidade de cura emocional para qualquer situação em que possamos estar envolvidos. Uma revolução palpável nos nossos aspectos de consciência e nas reais possibilidades de existirmos no nosso melhor.

A metodologia mostra-se bastante eficaz em situações de:
Luto, Trauma e lembranças dolorosas, Depressão, Ansiedade e/ou Medos, Fobias, Ataques de pânico, Pesadelos e/ou terror noturno,Temas familiares, Relacionamentos interpessoais, Divórcio e separação, Temas de orientação sexual, Espiritualidade e questões religiosas, Transtornos do sono, Adições e dependência (alcoolismo, drogadição, tabagismo, etc.), Enurese noturna, Dificuldades de aprendizagem e problemas escolares, Anorexia/Bulimia/Transtornos de Alimentação, Obesidade,
Adição sexual e/ou pornografia e Obessividade/compulsão.

O EMDR além de ser uma metodologia extremamente eficiente para estresse pós-traumático, é excelente para qualquer tipo de conflito.

Aplicação do EMDR:
Existe um protocolo que deve ser rigorosamente seguido com a finalidade de que terapeuta e cliente tenham acesso a todos os detalhes que envolvem a situação referida a ser reprocessada. Nele observamos aspectos emocionais envolvidos, pensamentos/crenças/mandatos, sensações corporais, grau de perturbação e outros. A partir daí, por intermédio de movimentos bilaterais que podem ser auditivos, visuais ou táteis, começa o reprocessamento em EMDR. Estes movimentos auxiliam os hemisférios cerebrais realizarem o processo de modo profundo. Durante o reprocessamento, ao mesmo tempo em que o paciente observa e controla o processo, ele está atuante no mesmo.
O EMDR é um recurso/abordagem em si mesmo altamente potente e não há absoluta necessidade do auxílio de outras técnicas terapêuticas. Mas tem a vantagem de poder ser conjugado com inúmeras outras abordagens.

Voltar